Diário do Alentejo

À mesa: Cozinha regional e vinho da talha

12 de março 2020 - 11:28

Hoje seguimos viagem pelo Baixo Alentejo, com o País das Uvas, duplamente, no pensamento. A razão é simples: em Vila de Frades, entre Vidigueira e Cuba, a poucos metros da casa onde nasceu Fialho de Almeida, o autor do antológico País das Uvas e de várias obras de referência da literatura nacional, nomeadamente, Os Gatos e A Cidade do Vício, há outro País das Uvas: um espaço típico, rústico, decorado a preceito e que resultou da adaptação da centenária Adega do Tomé. As bojudas talhas de barro continuam lá, perfiladas, albergando milhares de litros de vinho feito segundo métodos arcaicos, herdados dos romanos. É o vinho de talha, tradicional desta região, produzido sem aditivos, biologicamente puro. Mesmo ao lado, obras de ampliação do restaurante levadas a cabo por António Manuel Honrado, um empreendedor nato, colocaram a descoberto uma adega centenária, agora transformada em museu e em motivo suplementar de atração. A Cella Vinaria Antiqua é um exemplo arrebatador da enraizada tradição do vinho de talha nestas latitudes e que justifica em absoluto a visita. Os dias que correm são de celebração deste vinho, consagrado na Vitifrades, festas báquicas que vão já na 22.ª edição e dão mote para saborearmos, na Adega País das Uvas, pratos que são referência da genuína e muito criativa cozinha alentejana.

 

Para começar, leque vasto de sugestões: pezinhos de coentrada ou guisados; miolos de porco com ovos; cabeça de borrego ou de porco assada; moleja; cozido de couve; grão com mão de vaca ou refogado com abóbora; chispe assado no forno e feijão em nove declinações: do guisado com ovos e linguiça ou com carne de porco à opção com bogango, o mesmo que mogango, nabiça, ou guisado com tomate, entre outras. Na ementa, destacam-se galinha com cilarcas ou corada; burras assadas; pratos de carne de borrego – à pastora, ensopado ou perna assada –; arroz de coentros; ervilhas com ovos escalfados; favas ou nabos guisados; tomatada com ovos; e sopa da panela. Em dia de outonal incursão pelo País das Uvas, de cabeços revestidos a ouro e matizados de verde e púrpura, a ementa do dia sugeria açorda de cação; feijão com cardos; espargos com ovos; carne do alguidar; ensopado de borrego; bochechas estufadas e cozido de grão. Mercê de atempado pedido, saboreámos umas deliciosas sopas de toucinho, confecionadas a preceito. O caldo, bem apurado, foi o elemento agregador dos ingredientes de boa qualidade. Sobremesas regionais. Serviço irregular. O vinho, de produção própria, é complemento ideal da ementa, que até pode incluir uma ou outra moda, cantada a preceito, para elogiar o produto local: “Vila de Frades já não tem abades; mas tem adegas, que são catedrais; os seus palhetes são brilharetes, de beber e chorar por mais”. Na Adega País das Uvas, naturalmente. 

 

 

Texto: António Catarino, jornalista


Localização: Vila de Frades (Vidigueira)
Telef. 284 441 023

Comentários