Diário do Alentejo

Passes rodoviários mais baratos no Alentejo Litoral

21 de agosto 2019 - 16:10

Os utentes dos transportes públicos rodoviários no litoral alentejano vão poder viajar, a partir de setembro, para a Área Metropolitana de Lisboa (AML), Alentejo Central e Algarve por um valor máximo de 40 euros. De acordo com a Comunidade Intermunicipal do Alentejo Litoral (CIMAL), a medida abrange os utentes dos concelhos de Alcácer do Sal, Grândola, Santiago do Cacém, Sines e Odemira, com assinaturas de linha da Rodoviária do Alentejo.


“As pessoas que hoje pagam 150 euros de passe vão passar a pagar 40 euros, traduzindo-se numa redução com algum significado para o rendimento dos utentes que, por razões de emprego, têm de se deslocar para a Área Metropolitana de Lisboa”, disse à agência Lusa o presidente da CIMAL, Vítor Proença. No caso dos utentes do litoral alentejano que se deslocam para o Algarve, a redução “abrange, sobretudo, o município de Odemira, tendo em conta que há pessoas que se deslocam para Aljezur, Lagos e Portimão”. “No Alentejo Central abrange as deslocações para Montemor-o-Novo e Évora para quem eventualmente tenha passe”, acrescentou o autarca.


A redução tarifária entra em vigor em setembro e contempla os utentes que se inscreverem na plataforma 'online' da CIMAL, onde se podem registar ou ter acesso imediato à renovação do passe com os novos valores a partir de setembro, explicou o também presidente da Câmara de Alcácer do Sal.

 

A cerimónia de assinatura dos contratos para a redução dos tarifários nos transportes entre a CIMAL, a AML, que abrange 18 municípios, Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC), que contempla o distrito de Évora, e a Área Metropolitana do Algarve (AMAL) está marcada para quinta-feira à tarde no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Alcácer do Sal.

 

De acordo com Vítor Proença, a redução tarifária representa "um passo importante no plano da descarbonização e no combate às alterações climáticas”. “Há pessoas que utilizam o seu automóvel para estes movimentos pendulares e podem passar a utilizar o transporte público, contribuindo para o combate às alterações climáticas, além da comodidade”, salientou.

 

Apesar de considerar que se trata de uma “boa medida” para os utentes do litoral alentejano, o autarca insistiu na necessidade de aplicar a redução tarifária ao comboio, além do “reforço das verbas” no próximo Orçamento do Estado (OE). “Vamos persistir nas questões relacionadas com a extensão ao comboio, nomeadamente as viagens de longo curso, no reforço das verbas no próximo OE, não só para manter este programa de redução tarifária como ampliá-lo, e na renovação das frotas para que as pessoas sejam transportadas com maior conforto”, concluiu.

Comentários