Diário do Alentejo

Ceia quer unir território para construir “grande região”

14 de outubro 2020 - 16:00

O presidente eleito da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo, António Ceia da Silva, traçou hoje como um dos seus objetivos unir os agentes do território para construir "uma grande região".

 

"Conto com todos, com aqueles que estiveram comigo e com aqueles que não estiveram" porque "todos são importantes para construir uma grande região, como fiz no turismo", afirmou António Ceia da Silva, em declarações à agência Lusa.

 

O novo presidente da CCDR do Alentejo agradeceu a quem o apoiou na corrida para a presidência deste organismo, mas vincou que "as eleições acabaram" e que "é necessário fazer um trabalho conjunto" em prol da região.

 

Nas eleições realizadas na terça-feira, o candidato vencedor, António Ceia da Silva, obteve 512 votos, contra os 418 do outro candidato, Roberto Grilo, segundo o edital publicado pela Direção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) na sua página na Internet. Hoje, Cdisse que pretende implementar as medidas que apresentou num manifesto, "em articulação com o Governo e cumprindo as regras da União Europeia".

 

"O mais importante, agora, é, juntamente com os meus colegas e com os técnicos, analisar o manifesto, que é a base, para ver o que pensam e, depois, vamos procurar executar as medidas em função das prioridades que encontrarmos", assinalou.

 

O novo presidente da CCDR do Alentejo notou que existem vários "projetos estruturantes para a região", para os quais o território tem de "lutar por eles", mas vincou que "isso tem de ser em articulação com o Governo e com as novas medidas que aí vêm com os fundos estruturais e a chamada 'bazuca'".

 

No manifesto, Ceia da Silva defende, entre outras medidas, a revalorização da figura do Conselho de Coordenação Intersectorial da CCDR do Alentejo e a criação, com os municípios e comunidades intermunicipais, do Pacto dos Autarcas Alentejanos, plataforma informal para troca de experiências em diversas áreas.

Comentários