Diário do Alentejo

Serpa exige intervenções em estradas nacionais

08 de agosto 2019 - 14:10
DR

A Câmara Municipal de Serpa revelou que, quase um ano depois, recebeu uma resposta da Infraestruturas de Portugal (IP), acerca da situação das estradas nacionais que atravessam o concelho.


A IP informa que no “concelho de Serpa foram identificadas necessidades de intervenção no montante aproximado de 22 milhões de euros” e que foi “elaborado o planeamento”. Acrescenta, contudo, que “atendendo ao atual enquadramento financeiro e à impossibilidade de executar no curto prazo todas as intervenções necessárias”, está a fazer a conservação corrente. Para já, “foram executados saneamentos pontuais no IP8 (EN 260), no valor de 63 336 euros”.


Assim, refere a autarquia, a empresa dá razão ao município serpense, que defende a necessidade da realização de obras de vulto que rondam, segundo a IP, 22 milhões de euros. Mas vai fazendo apenas trabalhos pontuais de conservação do pavimento, “como saneamentos, fresagens e reperfilamentos, de modo a suprimir pelo menos as situações que sejam consideradas mais críticas”. Pelo que, de acordo com as previsões da IP, os utilizadores das estradas nacionais que atravessam o concelho de Serpa vão continuar a circular em vias degradadas e sem condições de segurança.


A Câmara de Serpa reafirma que é fundamental a construção do IP8 até Vila Verde de Ficalho, ligando Sines, na costa atlântica, à fronteira com Espanha. O município defende também a abertura imediata do troço pronto mas encerrado da A26, em Santa Margarida do Sado, bem como uma intervenção de vulto nas EN 259 (entre Santa Margarida do Sado e Ferreira do Alentejo), 121 (entre Ferreira do Alentejo e Beja) e ainda na 260 (entre Beja e Vila Verde de Ficalho) – no fundo, ligações à capital e a Espanha.


Na resposta à Câmara de Serpa, a IP prevê para este ano apenas o início de uma intervenção na EN 260, entre Serpa e Vila Nova de São Bento, admitindo para 2020 e 2021 outras intervenções.

Comentários